http://www.saude.ba.gov.br/policlinicasregionais


Março marca luta de mulheres do MST contra modelo do agronegócio da Suzano/Atribuna24hs

  



Izelia Silva:
Mulheres sem Terra 

Por coletivo de comunicação da Bahia

No extremo sul da Bahia, mais de mil Mulheres SemTerra, que estavam acampadas na fazenda Céu Azul, ocuparam as ruas de Teixeira de Freitas, para denunciar o modelo de produção do agronegócio, a violência e a retirada de direitos pelo governo Temer.


Desde madruga de segunda-feira (5/3 da semana passada), mais de mil trabalhadoras rurais Sem Terra ocuparam a fábrica da Suzano no município de Mucuri e Fazenda Céu Azul no município de Teixeira de Freitas, o qual permaneceu acampada até manhã  de sexta-feira  (9/3)


As mulheres denunciaram os problemas relacionados a crise hídrica no município de Mucuri, causados pela produção em grande escala de eucalipto; a pulverização aérea realizada nas áreas da Suzano; os monocultivos; e uso de sementes transgênicas no manejo produtivo.

Outro elemento da denúncia, que ganha destaque com a ocupação, é o plantio desenfreado de eucalipto. As mulheres Sem Terra afirmam que os monocultivos tem provocado uma grande crise hídrica na região por conta do alto consumo de água das árvores, que plantadas sem responsabilidade social e com objetivos financeiros, têm secado os mananciais de água doce.


Jornada Nacional

A ocupação faz parte da Jornada Nacional de Luta das Mulheres Sem Terra, que prevê a mobilização de milhares de trabalhadoras do campo e da cidade em todo país com o objetivo de rechaçar o governo golpista de Michel Temer, bem como todas as medidas de sua pasta. Com o lema “Quem não se movimenta, não sente as cadeias que o prendem”, a Jornada na Bahia denuncia as privatizações, a violência, os latifúndios improdutivos e pauta a construção da Reforma Agrária Popular, com foco na luta pela democracia.

Para Valquiria Souza da direção estadual "As mulheres sem terra seguem em luta pelo direito à terra e por uma política de Reforma Agrária; contra o machismo e a violência contra as mulheres e LGBTs; e contra a cultura do estupro".


Nenhum comentário